Economia

Ipea: inflação desacelera para todas as faixas de renda em junho

Publicado

em

Redução de preços continua maior entre famílias de renda alta O Indicador de Inflação por Faixa de Renda apontou desaceleração da taxa de inflação para todas as faixas de renda no mês de junho. 

O estudo mostrou que, apesar da redução generalizada na comparação com maio deste ano, a inflação das famílias de renda muito baixa continua maior que a registrada na faixa de renda alta pelo terceiro mês consecutivo, com taxas de 0,62% para as famílias que recebem menos de R$ 1.650,50 e de 0,39% para os domicílios com renda maior de R$ 16.509,66.

O levantamento foi divulgado hoje (14) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O grupo habitação, assim como no mês anterior, continuou sendo o segmento que mais contribuiu para a pressão inflacionária em junho, impactado pelo reajuste das tarifas de energia elétrica e, em menor escala, pelos aumentos do gás de botijão e do gás encanado.

Segundo o Ipea, no caso da energia, a variação de 1,95%, em junho, reflete o acionamento da bandeira vermelha patamar 2, além da recomposição tarifária registrada em Curitiba.

As variações do gás de botijão e do gás encanado, por sua vez, continuam influenciadas pela alta dos preços internacionais e já acumulam variações de 16% e 14,2% no ano, respectivamente.

De acordo com o levantamento, o segundo grupo que mais contribuiu para a alta da inflação das famílias de renda muito baixa foi o de alimentação e bebidas. Mesmo diante da deflação apresentada em itens importantes, como cereais (-0,73%), tubérculos (-11,2%) e frutas (-2,7%), o segmento foi impactado pelas altas das carnes (1,3%), das aves e ovos (1,6%) e dos leites e derivados (2,2%).

Já as famílias de alta renda foram impactadas pelo segmento de transportes, sendo que as quedas nas passagens aéreas (-5,6%) e nos transportes por aplicativo (-0,95%) não conseguiram anular os efeitos dos aumentos da gasolina (0,7%) e do etanol (2,1%.

Na comparação com junho de 2020, a pesquisa mostrou que a inflação no mesmo mês de 2021 foi mais elevada para todos os segmentos de renda, sendo que a alta foi mais significativa foi para as famílias de menor renda.

Segundo o Ipea, apesar da alta maior dos alimentos no domicílio em 2020, a inflação das famílias de renda mais baixa havia sido beneficiada pelas quedas dos preços da energia (-0,34%), do vestuário (-0,46%) e dos artigos de limpeza (-0,19%), ocorridas no ano passado.

Já para as famílias com maior renda, a menor alta inflacionária em 2020 foi causada, principalmente, pelas deflações das passagens aéreas (-26%), dos transportes por aplicativo (-14%) e das despesas com recreação (-0,43%)

“Os dados acumulados em doze meses mostram que, apesar da aceleração inflacionária generalizada para todas as faixas de renda, a taxa de inflação das famílias de renda muito baixa (9,2%) segue em patamar acima da observada na faixa de renda alta (6,5%), ainda pressionada pelas altas de 15,3% dos alimentos no domicílio, de 16,2% da energia elétrica e de 24,2% do gás de botijão no período. Já para as famílias de renda mais alta, boa parte dessa inflação acumulada vem do reajuste de 43,9% dos combustíveis no período”, informou o Ipea.

Edição: Maria Claudia

Comentários do Facebook

Economia

Parcelamento do IPVA cresce 94% após ampliação do número de parcelas

Publicados

em

Opção por parcelamento do IPVA atraiu mais proprietários de veículos em Goiás, em 2022

Quantidade de veículos que tiveram imposto parcelado saltou de 151 mil para 293 mil, de 2021 para 2022. Além da permissão para parcelar IPVA em 10 vezes, Calendário 2022 jogou pagamento à vista para segundo semestre

Os dados do primeiro semestre deste ano mostram que a alteração no Calendário 2022 do IPVA, que ampliou de 3 para 10 o número de parcelas, quase dobrou a procura pelo parcelamento do imposto. O número de veículos que tiveram o IPVA parcelado saltou de 151 mil no ano passado para 293 mil nesse ano, um crescimento de 94% na adesão ao maior prazo.

Em valores, esse crescimento foi de 115% comparando janeiro a junho de 2021 com o mesmo período de 2022. No primeiro semestre do ano passado, foram realizados cerca de R$ 100 milhões em parcelamento, já neste ano os parcelamentos de janeiro a junho subiram para R$ 215 milhões.

Os dados são da Gerência de IPVA da Secretaria da Economia e mostram que quase o dobro de proprietários de veículos aderiu ao prazo maior para quitar o IPVA. O pagamento em parcela única também foi alterado, passando para o segundo semestre a partir de setembro. E a forma de adesão abriu várias possibilidades para que o contribuinte possa escolher o que é melhor segundo a situação de cada um.

Em 2022 o calendário não foi fechado para nenhuma placa. O motorista pode pagar as parcelas a qualquer momento, pois o governo não cobra taxa por atraso. Ele só não pode pagar depois do vencimento da data final, de setembro a dezembro. No primeiro semestre do ano passado, o prazo para pagamento do imposto já teria sido realizado para os motoristas com placas 1, 2, 3 e 4.

O boleto para pagamento do IPVA é emitido no site do Detran (www.detran.go.gov.br) e o parcelamento é feito eletronicamente.

Desconto no IPVA
O governo estadual manteve o desconto de 5% a 10% no IPVA para os cidadãos que participam do Programa Nota Fiscal Goiana (NFG). Este ano, mais de 441 mil proprietários de veículos terão desconto no imposto.

Já a isenção do IPVA ocorre para veículos com mais de 15 anos, para pessoas com deficiência, para ônibus ou micro-ônibus de passageiro de turismo ou escolar e veículo novo no ano da sua aquisição, comprado em concessionária goiana.

Alíquotas
As alíquotas do IPVA variam. São de 1,25%, para ônibus, micro-ônibus, caminhão, veículos aéreos e aquáticos utilizados no transporte coletivo de passageiros e de carga. De 3%: motocicleta, ciclomotor, triciclo, motoneta e automóvel de passeio com potência até 100 cv (cavalos); 3,45% para veículos utilitários e 3,75% para veículo terrestre de passeio, veículo aéreo e aquático.

Foto: Cristiano Borges / Secretaria da Economia – Governo de Goiás

Comentários do Facebook
Continue lendo

Cidades

Governador Ronaldo Caiado anuncia redução da alíquota do ICMS do etanol para 14,17%

Publicados

em

Medida começa a valer nesta sexta-feira (15/07) em consonância com aprovação de Proposta de Emenda Constitucional no Congresso Nacional. Esta é a segunda queda do imposto em menos de um mês

O Governo de Goiás anunciou nesta sexta-feira (15/07) redução para 14,17% a alíquota fixa do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) para as operações internas com etanol hidratado combustível – EHC.

A alíquota do ICMS sobre o etanol já havia caído de 25% para 17% desde 27 de junho deste ano, quando o governador Ronaldo Caiado anunciou o atendimento às diretrizes da Lei Complementar 194/2022 aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pela presidência da República.

Agora, a nova redução atende o estabelecido em uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que altera a Constituição Federal ao criar um estado de emergência, o que permite ao governo federal a concessão de uma série de benefícios sociais, entre eles, a redução da alíquota do combustível, o que ajudará a manter a competitividade do etanol frente à gasolina.

“Considerado o disposto no art. 4º da Emenda Constitucional nº 123, de 14 de julho de 2022, que determina o diferencial competitivo dos biocombustíveis destinados ao consumo final em relação aos combustíveis fósseis, [a Secretaria de Estado da Economia] comunica que, a partir de 15 de julho de 2022, as operações internas com etanol hidratado combustível – EHC devem ser tributadas pelo ICMS à alíquota de 14,17%”, informa a nota assinada pela secretária de Economia, Cristiane Schmidt.

Primeira redução
O governador Ronaldo Caiado anunciou no final de junho a redução do ICMS para os combustíveis, energia elétrica e comunicação. A alíquota de ICMS da gasolina e do etanol caiu de 30% e 25%, respectivamente, para 17%. Já o diesel, cujo porcentual era de 16%, recuou para 14%. Com isso, o preço da gasolina ao consumidor final teve queda superior a R$ 1,50 por litro. Já o etanol, a redução estimada ficou em R$ 0,80 por litro.

Foto: Procon-GO / Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás

Comentários do Facebook
Continue lendo

Economia

Governo de Goiás amplia limite de crédito a microempresários e produtores rurais

Publicados

em

As linhas de até R$ 5 mil admitem empréstimos sem juros ou sem avalista, enquanto as de até R$ 21 mil, terão garantia junto ao Fundo de Aval. Já os produtores rurais podem pedir financiamento com juros subsidiados de R$ 50 a 100 mil

O Conselho do Fundo de Equalização para o Empreendedor (Fundeq) aprovou, em reunião na última terça-feira (12/07), o aumento do limite de financiamento pelo instrumento de estímulo ao empreendedorismo, emprego e renda do governo estadual.

Micro e pequenos empresários poderão contratar novas linhas de crédito de até R$ 21 mil com o Fundo de Aval como garantidor do pagamento. A opção de empréstimo de até R$ 5 mil sem juros ou sem aval continua disponível aos interessados. Na opção por aderir a um empréstimo sem juros, será necessário apresentar avalista.

Já produtores rurais poderão aderir ao financiamento de até R$ 100 mil pelo Fundeq, que antes tinha valor limite de R$ 50 mil. Na reunião também foi aprovada uma linha de crédito especial para o setor, de R$ 5 mil, com juro subsidiado de 0,5% ao mês. Nas operações de até R$ 50 mil, o produtor pode solicitar o Fundo de Aval.

Presidente do Conselho Deliberativo do Fundeq, César Moura comenta que a nova medida vai ampliar as possibilidades de desenvolvimento regional. “O empréstimo barato e facilitado oferecido pelo Fundeq permite uma possibilidade de recursos para fluxo de caixa, ampliação ou adequação dos micro e pequenos negócios, que são os grandes motores de geração de emprego e renda em Goiás”, pontua o também titular da Secretaria da Retomada.

Segundo o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tiago Mendonça, a ampliação do limite de valor para empréstimo aos produtores rurais, via Fundeq, é necessária por causa do aumento de custos registrado nos últimos anos. “Ampliando o valor da linha de crédito para R$ 100 mil, além de arcar com as despesas, o produtor terá a possibilidade de realizar mais investimentos nas propriedades, aumentando a produção, gerando emprego e renda”, enfatiza.

Eurípedes do Carmo, presidente da GoiásFomento, lembra que uma das maiores dificuldades enfrentadas especialmente por micro e pequenos empreendimentos no acesso ao crédito, é o custo dos recursos financeiros para realização de investimentos. “O Fundeq amplia a possibilidade de concessão de crédito e financiamentos a inúmeros negócios. Ou seja, contribui efetivamente para o fortalecimento da economia, além de auxiliar com a saúde financeira das empresas e garantir novos postos de trabalho”, ressalta.

Foto: divulgação/ Secretaria da Retomada – Governo de Goiás

Comentários do Facebook
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

ECONOMIA

NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA