Educação

Caldas Novas está entre as cidades com a melhor educação pública do Brasil

Publicado

em

Por: Andreazza Joseph

Para incentivar a educação pública de qualidade, a startup de educação Melhor Escola criou um ranking com as melhores escolas públicas do país.

Caldas Novas é conhecida mundialmente como a maior estância hidro termal do mundo, assim como também, é apontada como o 5º destino turistico do Brasil, recentemente, após uma pesquisa de opinião, duas escolas da rede estadual de ensino no municipio, aparecem entre as 10 nacionais com o melhor ensino de qualidade, foi o que apontou o ranking.

Atualmente, sabe-se que a educação brasileira se encontra em estado grave. Segundo a primeira etapa do Censo Escolar de 2021, mais de 650 mil crianças saíram da escola nos últimos três anos. Além disso, durante a pandemia, o número de crianças que não sabem ler e nem escrever cresceu 66% de acordo com análise feita pela organização Todos Pela Educação.

Dessa forma, com o intuito de incentivar uma educação pública de qualidade, o site Melhor Escola – um marketplace de educação básica do Brasil – fez uma pesquisa com milhares de pais, mães e responsáveis para saber quais as 10 melhores escolas públicas do país.

Na 8ª colocação está o Colégio Estadual De Caldas Novas – é muito bem avaliado pelos pais, alunos e funcionários da instituição, reflexo do comprometimento com um ensino de qualidade que a escola oferece. O Colegio Estadual De Caldas Novas se localiza em: Rua Victor De Ozeda Ala, SN- Centro, Caldas Novas – Goiás.

 

Já na 9ª Colocação, aparece a Escola Estadual Juscelino Kubitschek com a nota 4,6
A Escola Estadual Juscelino Kubitschek oferece toda a estrutura necessária para o conforto e desenvolvimento educacional dos seus alunos, como por exemplo: Internet, Banda Larga, Refeitório, Laboratório de Informática, Sala de Leitura, Pátio Coberto, Pátio Descoberto, Sala do Professor e Alimentação.

A Escola Estadual Juscelino Kubitschek é muito bem avaliada pelos pais, alunos e funcionários da instituição, reflexo do comprometimento com um ensino de qualidade que a escola oferece.

 

Para a pesquisa foram consideradas 79.612 instituições públicas de ensino básico cadastradas no portal. Porém, os responsáveis tiveram que avaliar as escolas que eles já tiveram contato. Assim, eles deram notas de 0,5 a 5 para os seguintes critérios: motivação dos estudantes, infraestrutura física da escola, participação da comunidade e desenvolvimento socioemocional dos alunos.

Dentre as cidades que estão no ranking têm-se: Rio de Janeiro, Salvador, Santos, Jundiaí, Cajamar, Belém e Caldas Novas. Sendo assim, o colégio Ceja Madureira, localizado na capital carioca, foi o que conquistou a primeira colocação com a nota média de 4,79.

A escola, além de ter a metodologia EJA (Educação de Jovens e Adultos), também conta com ensino fundamental e médio semipresencial. No ENEM 2019 a instituição de ensino obteve média de 510.4, maior do que a média geral do Brasil, que foi de 504,9.

O ranking completo com as 10 melhores escolas públicas do Brasil pode ser visto através do desse link a seguir: https://www.melhorescola.com.br/artigos/confira-as-melhores-escolas-publicas-do-brasil

Desde 2013, o site Melhor Escola, conecta alunos a escolas da Educação Básica de todo o Brasil. Assim, além de contar com informações de todas as escolas cadastradas no MEC (mais de 180 mil) para os pais que estão buscando por colégios, ele também oferece descontos nas mensalidades das escolas parceiras (mais de 7.000).

Comentários do Facebook

Educação

UFG e Prefeitura discutem expansão do Câmpus Caldas Novas

Publicados

em

Inicialmente haverá cursos de formação; no médio prazo, expectativa é por graduação

Uma comitiva da UFG esteve em Caldas Novas e reuniu-se com o prefeito Kleber Luiz Marra, na terça-feira (12/4). O objetivo principal foi a discussão de uma parceria que permita a expansão do câmpus da Universidade no município, com a oferta de atividades de capacitação e, no médio prazo, também cursos de graduação.

A reitora da UFG, Angelita Pereira de Lima, destacou que a Universidade foi muito bem recebida pela Prefeitura do ponto de vista da expectativa de atividades que promovam a expansão do Câmpus Caldas Novas.

“O próximo passo serão discussões da UFG com as secretarias municipais de Educação e de Esportes para que possam ser elaborados projetos que venham a subsidiar um convênio com a Prefeitura de Caldas Novas, sendo bem provável num primeiro momento a oferta de cursos de qualificação e capacitação”, comentou Angelita.

Kleber Marra disse que o município tem total interesse no processo de desenvolvimento do Câmpus e colocou-se à disposição para dar sequência ao diálogo para que a parceria com a UFG seja consolidada.

No encontro em Caldas Novas, a UFG ainda foi representada pelo vice-reitor, Jesiel Carvalho; pelo pró-reitor de Administração e Finanças, Robson Geraldine; e pela diretora do Câmpus Caldas Novas, Abadia dos Reis Nascimento. Também participaram da reunião o presidente da Câmara de Vereadores, Marinho Câmara; e os secretários municipais da Fazenda, Edésio Junqueira, e de Comunicação, Teresa Cristina; além do procurador-geral do município, Rodrigo Ribeiro.

Fonte: Reitoria Digital / Fabrício Soveral

Comentários do Facebook
Continue lendo

Cidades

ESA inicia programação da semana com o curso Aspectos práticos e teóricos da investigação defensiva

Publicados

em

Wanessa Rodrigues

A Escola Superior da Advocacia de Goiás (ESA-GO) inicia a programação dessa semana com o curso on-line Aspectos práticos e teóricos da investigação defensiva, que será realizado nesta terça-feira (23/11). A aula será ministrada pelo professor Matheus Borges, Especialista em Direito Penal e Processo Penal e membro da Comissão de Direito Criminal da OAB-GO. O curso começa às 19 horas, com transmissão ao vivo pelo zoom. As inscrições podem ser feitas aqui.

Ainda na terça-feira, às 18h30, será realizado o webinar – Sustentação Oral nos Tribunais, com os palestrantes Guilherme Sérgio Di Ferreira Martins e Gustavo Mota. Também com on-line e ao vivo pelo zoom. No interior, serão oferecidos cursos presenciais em Caldas Novas, Anicuns e Formosa. Confira a programação:

Terça-feira (23/11)

Curso Aspectos práticos e teóricos da investigação defensiva
Professor: Matheus Borges
Horário:  19 horas
Local: On-line e ao vivo pelo zoom

Webinar – Sustentação Oral nos Tribunais
Palestrantes:  Guilherme Sérgio Di Ferreira Martins e Gustavo Mota
Horário: 18h30
Local: On-line e ao vivo pelo zoom

Quarta-feira (24/11)

Caldas Novas – Curso Gestão de escritório
Professor: Gustavo Faria Pereira
Horário: 19 horas
Local: Sede da Subseção de Caldas Novas – Av. Antônio Sanches Fernandes, Qd. AI, Lote C, Estância Itaguaí III, Caldas Novas.

Anicuns – Curso de Planejamento Previdenciário para Advogados
Professor: Jefferson Maleski
Horário: 19 horas
Local: Sede da Subseção – Rua Arlindo Batista c/ Av. Contorno, s/nº, Conjunto Rio dos Bois, Anicuns.

Curso Como elaborar artigos científicos na área jurídica
Professora: Isabelle Chehab
Horário: 19 horas
Local: Online e ao vivo pelo zoom

Quinta-feira (25/11)

Curso Direitos e Prerrogativas da Advocacia
Professor: David Soares
Horário: 19 horas
Local: On-line e ao vivo pelo zoom

Formosa – Prática Previdenciária Recursal – Como atuar no CRPS
Palestrante: Washington Barbosa
Horário: 19 horas
Local: Sede da Subseção – Av. Sebastião Monteiro Guimarães, nº 133, Parque Laguna II, Formosa.

Comentários do Facebook
Continue lendo

Educação

COVID-19: Justiça Federal nega pedido para retorno de aulas presenciais na UFG

Publicados

em

A Justiça Federal negou pedido do Ministério Público Federal (MPF) para o retorno das aulas presenciais na Universidade Federal de Goiás (UFG) até o final de setembro. A decisão foi proferida pelo juiz Jesus Crisóstomo de Almeida, em ação civil pública em que o MPF alegava não haver mais justificativa para o ensino remoto emergencial, adotado em razão da pandemia do coronavírus (covid-19).
O Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg-Sindicato), o Diretório Central dos Estudantes (DCE) e o Sindicato dos Trabalhadores Técnicos Administrativos em Educação das Instituições Federais de Ensino Superior de Goiás (Sint-Ifesgo) ingressaram na ação na qualidade de amicus curiae e pediram o indeferimento do pedido.
As três entidades destacaram, entre outras questões, que Goiás conta com alto nível de infecção por covid. Lembraram, ainda, que um painel publicado pelo jornal norte-americano The New York Times apontou o Estado como a maior média de mortes e contaminação para cada 100 mil habitantes no início de agosto.
Casos como a Prefeitura de Caldas Novas e de um tradicional colégio particular de Goiânia, que suspenderam as aulas presenciais após o aumento de casos de coronavírus, também são ressaltados na ação conjunta.
“A curva em Goiás ainda não foi estabilizada e apresenta índices compatíveis com os momentos mais graves da pandemia”, destaca o documento. Além disso, a articulação metodológica entre as modalidades presencial e remota, como também pediu o MPF, já é contemplada pelo Regulamento Geral dos Cursos de Graduação (RGCG) da UFG.
Na decisão, o juiz considera que a universidade tem adotado as medidas cabíveis para assegurar à comunidade acadêmica adequadas condições de aprendizagem, dentro das condições que o momento de crise sanitária permite. O magistrado pontuou, ainda, não ver motivos para uma interferência judicial nas decisões da UFG.
“Só se pode admitir uma intervenção judicial, de forma constitucional e com legitimidade, quando os benefícios sociais superarem os custos da abstenção. Tenho por ausente a plausibilidade jurídica da tese inicial, precisamente no que toca à alegada necessidade de retomada imediata das atividades presenciais por parte da universidade, como defende o Ministério Público Federal”.
A decisão pondera também que o MPF não levou aos autos elementos probatórios para refutar as alegações da UFG, que, ao não retomar as atividades presenciais, resguarda a vida e a saúde de professores, estudantes e servidores.  “A situação é excepcional e atinge todo o território brasileiro”, assegura o juiz. O processo ainda será julgado no mérito.
Ciência
De acordo com o presidente do Adufg-Sindicato, professor Flávio Alves da Silva, todas as decisões tomadas pelas instituições de ensino são colegiadas, embasadas na ciência e em sintonia com a sociedade.
Segundo ele, todos sabem da importância do ambiente acadêmico para o direito à educação, mas a preservação da vida deve ser prioridade. “A imensa maioria dos estudantes não foi vacinada, ao passo que professores e técnicos receberam apenas a primeira dose. Não há como se falar que a comunidade acadêmica já está imunizada”, afirma.
Comentários do Facebook
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

ECONOMIA

NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA